sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

CONTOS DE UM GUARDIÃO - O FIM

Este conto retrata o ultimo capítulo desta história, não que isso signifique que os contos acabaram, mas apenas que, sob uma perspectiva cronológica, a história do guardião se encerra aqui.

Vejamos:

Nevava, era o período de se resguardar, de se recolher, era a época de estar com a família e tratar de todos para que até os mais fracos tivessem alguma chance de superar o tempo frio. Era sabido por todos que os menores passariam por apuros, assim como aqueles que convalesciam de feridas das batalhas, pena, não tiveram a sorte de morrer em batalha com espada em punho, esquecidos pelas Valquírias ou apegados demais à vida para parar de lutar por ela.

Mas este inverno era diferente, estavam todos tensos, sabiam que, mais cedo ou mais tarde teriam suas terras invadidas, havia inimigos vindos de terras sempre geladas, estes guerreiros não precisavam voltar para casa neste período, pois seu lar seria ainda mais hostil que este ambiente estranho, estavam em seu ambiente natural quando cercados de gelo, alguns entre eles, possivelmente os mais bravos, se vestiam de branco como a neve, com a pele de ursos brancos a cobrir seus corpos.

O guardião já os conhecia, havia lutado lado a lado com alguns como eles, bem como havia cruzado espadas com outros tantos, sabia que a neve não os impediria, sequer atrasaria. Mas as vezes eles mudavam de rumo, encontravam um lugar para passar um tempo, buscavam apenas terras melhores que as suas, ninguém ficaria parado vindo de onde vieram, terra infértil e fria, mais parecia que os deuses haviam abandonado aquele lugar.

Numa manhã, os ventos anunciaram a sua chegada, era hora de batalhar, não estavam prontos, não podiam estar, ainda se recuperavam da ultima batalha e não foram avisados a tempo de preparar uma reação adequada, ou mesmo uma fuga eficaz.
 


Faltava-lhes um líder, o ultimo acabara de morrer das feridas da batalha que enfraqueceu toda a tribo, deixou apenas a irmã com sabedoria e conhecimento o suficiente para liderar, mas mesmo esta se encontrava completamente desestruturada pela morte de seu amor e a perda de seu filho.

Mas o calor da batalha deu-lhe uma razão para continuar, era preciso, apatia agora representaria a morte de seu povo, o fim do sonho da velha, responsável pela ascensão do seu sangue e expansão por todo o mundo, e assim, ela teve que continuar. Ordenou que fosse posto em prática aquilo que todos sabiam ser o certo, ela seria responsável pela retirada dos pequenos, estes garantiriam a continuidade da linhagem, os mais fortes dariam o tempo necessário para a fuga.

O guardião também sofria pela perda do chefe e primo, aquele que tanto o ensinou. Seu irmão de armas agonizou até o fim, os ferimentos de batalha o levaram, mas lutou contra isso, não desejava o Valhalla, não agora, jamais fora apegado a vida, nenhum guerreiro desta tribo era, todos lutavam bravamente na esperança de continuar lutando eternamente junto aos deuses, mas o líder precisava continuar,  sabia da batalha que viria e sabia da importância da sua ferocidade na batalha para dar força e inspiração, era sempre “o tiro certeiro”.

A pequena, filha do seu amor, agora era uma adulta e ajudava a anciã, praticamente liderava a tribo, enchendo o guardião de orgulho, eventualmente sentia ciúmes da relação do guardião com sua nova esposa, aquela moça quase de sua idade, mas relacionava-se bem com todos, o guardião esperava que ela levasse os pequenos junto com a “chefe”.
 

Estavam todos lá, ou quase, todos os sobreviventes do ultimo combate, ansiosos com o anúncio da tempestade que viria, todos conheciam o plano, era a alternativa final, os mais fortes seriam rochas a impedir o avanço do mar, ainda eram muito fortes, especialmente em casa, tinham a melhor razão de todas para lutar, a sobrevivência da tribo, e assim, independente da fúria, os invasores deveriam recuar, como as ondas voltam para o mar.

O guardião sabia sua função, não estava na linha de frente, sequer na segunda defesa, estava aguardando, junto com os seus irmãos seriam a ultima defesa, seguiria com disciplina a ordem de seu líder, de seu primo, este lhe confiara a linha dos guardiões e ele não falharia.

Foram pegos de surpresa, os ventos não avisaram a tempo, mas ainda assim resistiram, jamais havia lutado com tamanha fúria, sabia se tratar da sua ultima batalha, mas precisava dar tempo para a fuga dos pequenos e das mulheres, era necessário tempo para que fosse garantida a sobrevivência do seu povo.

O guardião sentiu picadas de abelhas e ouviu o zunido de vespas, mas isto não o fez parar, sequer reduziu seu ritmo, derrubou guerreiros, um após outro, reconhecendo alguns de outras batalhas, quase todos, guerreiros valorosos, que também lutavam pela sobrevivência.

Lembrou-se que seu amor viria buscar-lhe pessoalmente, sua Valquíria, novamente se uniriam no fim da batalha, o orgulho tomou conta de seu peito e sabendo que ela estaria ali observando, lutou para ela.

Felicitou-se ao saber que a sua pequena estaria em segurança, o que também agradaria a Valquiria, sua mãe. Teria sua linhagem garantida e seu sacrifício compensaria a falta que fez nos primeiros anos desta pequena.

Sentiu-se desolado, era noite. Não notou o momento em que escureceu, mas agora se sentia sozinho, mal se ouvia o barulho da batalha, eram poucos os seus irmãos a lutar, mas não menos ferozes, notou que as picadas de insetos eram na verdade flechas, muitas delas, não lembrava-se de ter visto alguém lutando com tantas no próprio corpo, pensou em descansar, sentia frio e sono, mas sabia que a cada minuto combatendo, aumentavam as chances de sucesso na fuga de sua pequena, que sempre detestou ser chamada assim.

Recobrou forças e correu. Avistara os arqueiros e sabia que de perto os massacraria, mesmo estes já pareciam cansados, questionavam a sabedoria daquela invasão ao ver o preço a ser pago, não tinha forças para sutilezas, já não podia ser tão preciso, por isso desculpou-se aos deuses por não respeitar os corpos dos inimigos o os degolou, com selvageria jamais experimentada. Aqueles que se assustaram com a cena fugiram, mas um, congelado pelo temor, revelou-se pouco atrás daquela primeira linha de arcos, visto pelo guardião imediatamente após a queda do corpo sem vida de um dos seus inimigos.


Mal acreditava na quantidade de arqueiros, detestava-os, eram incômodos e desequilibravam a batalha, queria vê-los sofrer, dirigiu-se àquele que o encarava tremendo, sentia o medo dele, o via tremer, mas o medo não impediu que o arqueiro abrisse a mão direita, libertando a flecha em seu arco já retesado, talvez tivesse largado a flecha sem querer, justamente por medo do gigante cravado de flechas que se movia em sua direção.

O guardião urrava enquanto se movia, uma espada em cada mão, “garra de coruja” e “beijo de aranha”, sentiu mais uma picada e num ultimo esforço arremessou sua espada, a “garra da coruja” voou e alcançou seu alvo com força e precisão mortais, cravando-se no peito do jovem arqueiro e o arremessando no chão.


Enfim descansaria, segurou o “beijo da aranha” com força nas duas mãos e se deixou cair, esperaria pela sua Valquiria armado, estava pronto para o Valhalla e para o Ragnarok, mas pouco antes de ser levado avistou sua Valquiria, não colhendo as almas, mas batalhando, com a mesma selvageria do guardião, reconhecia aqueles movimentos, eram os seus próprios movimentos em um corpo feminino e, em um lampejo, reconheceu sua filha.

Não podia ser, ela lhe prometera seguir com os pequenos para garantir a segurança de todos, ficou angustiado e em dúvida, morreu sem saber ao certo, em seus olhos não haviam mais a paz de quem segue para o Valhalla, mas sim o desespero de quem não sabe ao certo o destino de sua cria.


Mas esta história não nos cabe contar....

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

CONTOS DE UM GUARDIÃO - O DIA DA PRESA


Chovia, agora a sorte estava ao seu lado, fora perseguido por dias sem descanso, dormindo na copa de arvores e cavernas, correndo o quanto podia, mas agora, com a chuva, ele se sentia confortável.

A água que escorria em seus ombros limpava suas feridas, o frio regulava sua respiração, e seus ouvidos acostumados continuavam a ouvir seus inimigos, apesar da torrente, a roupa encharcada fora deixada de lado, era necessário ser leve e rápido, bastariam as gêmeas.


A escuridão encobria seu corpo, a chuva forte revirava seu rastro e a tempestade e trovões o tornavam silencioso.

Agora ele deixava de ser caça e virava caçador, sentindo cada gota em seus ombros ele respirava ofegante enquanto esperava suas presas que ainda acreditavam estar caçando, sem saber o quanto estavam enganados.

Alguns dias de busca tinham lhes retirado a vontade de lutar, a sede de sangue. A privação os havia debilitado, e a raiva, que os colocou naquela busca, já não ardia da mesma forma.

Mas não para ele, o seu fogo nascia da água e agora ele fervia, a privação e o cansaço foram lavados de sua memória e a única coisa que ele sentia era o desejo de fazer suas lâminas experimentar a carne e o sangue daqueles que o fizeram abandonar seu ultimo pouso.

Agora faltava pouco, ele podia sentir sua chegada, a cada lampejo Thor lhe mostrava seus inimigos, a cada trovoada ele se posicionava melhor, usando o som do ribombar de Mjölnir como disfarce para seus passos.

Agora eram apenas 3, outros haviam desistido, talvez lhes faltasse coragem para seguir numa tempestade como esta, ou sobrasse astúcia para saber que não era seguro. Muitos conheciam a história, o colosso sempre estava em casa quando chovia, tribos inteiras sabiam que a sua chegada num dia de chuva podia ser sinal de uma catástrofe, ou de uma benção.
Ele conhecia aquele tipo de chuva e ela não iria passar, não pelos próximos 2 ou 3 dias, ainda haveria tempo de voltar e alcançar alguns daqueles que se sentiam seguros com a volta para casa.


Mas agora a prioridade era outra, haviam 3 inimigos que deveriam ser eliminados imediatamente, perder tempo planejando a próxima caçada tiraria seu foco e atrapalharia.
Respirou fundo, eles faziam exatamente o esperado, aproximavam-se devagar, buscavam pegadas que não existiam, tentavam enxergar, mas num flash não sabiam para onde olhar.
Ele chegou devagar, por trás, a formação deles era ruim, estavam em um triangulo mal formado, apenas um na retaguarda, e este morreu sem sequer saber que estava sendo caçado.

Os outros dois se assustaram, mas tiveram tempo de reagir, era o que ele queria, se desejava o Valhalla, não seria simplesmente emboscando seus inimigos que o alcançaria.
Era injusto, ele sabia, apenas 2 contra ele, suas espadas gêmeas e a chuva, Thor estava do seu lado, seria um massacre.

Seus inimigos viram um gigante nu, portando um par de espadas de laminas curvas, aparentemente pequenas demais para alguém daquele tamanho, mas que, quando usadas juntas sua velocidade compensava seu tamanho e explicava sua fama.

Ele se divertiu, os massacrou enquanto sorria, lembrou-se da sua família, de quantas vezes seu primo lhe mostrou como matar, os respeitou, obviamente, como aprendera, seus corpos estavam retalhados, mas suas cabeças inteiras, estes guerreiros encontrariam o caminho, seriam levados para o seu paraíso e em breve os encontraria novamente e, quem sabe, lutariam todos juntos no ragnarok.

Os matou de perto, como quase sempre fazia, seus lábios quase tocando a pele do inimigo inerte, olhos nos olhos, mas apenas os seus com vida.

Ele estava ferido, muito pouco, suas laminas estavam limpas por causa da chuva, ele mal ofegava com o esforço recente e, após um minuto para saquear o que lhes havia de valor, voltou-se para o caminho já percorrido e voltou a trilhá-lo.

A caçada precisava continuar, ele descansaria após acabar com a ameaça aos seus, aqueles que o caçaram não deveriam chegar ao seu destino, se isso ocorresse mais entes queridos morreriam.

Mas esta caçada será contada em outro momento...

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Aventuras do Homem Invisível

E então ele chega sem ser visto, apresentado por um louco qualquer cheio de dreads e barba, fala alguma coisa sem sentido e de repente estão dançando a música certa, que fala de como ele se manteve invisível por meses, que fala do momento em que ele surge...

e a partir de então uma magia cessa e outra se inicia, a invisibilidade acabou e surgiu então um novo encanto, o de ser visto!

"eu vejo você!"


segunda-feira, 29 de julho de 2013

CONTOS DE UM GUARDIÃO - DE VOLTA PARA CASA

Afastou-se por anos daquele lugar que prometeu defender, sabia que estariam bem enquanto estivesse fora, mas era hora de voltar.

Havia deixado seu único bem de valor, além de suas armas, aos cuidados de alguém especial e era hora de voltar, descobrir o que havia a ser compartilhado.

Era inverno e seu mundo era uma imensidão branca, lembrou-se de quantas vezes passara por isso na companhia de sua pequena e de como teve que esforçar-se para mantê-la viva, apesar desta jamais reclamar de nada, sempre forte, a sua pequena puxara à mãe, forte e guerreira, tinha a capacidade de adaptar-se do pai e aprendera tudo sobre viver peregrinando no tempo que passaram juntos.

Devaneou por um tempo, até sentir a temperatura mudar, sabia que estava próximo. Apertou o passo, pretendia dormir sentindo calor humano, sabia que seria assim. Ao chegar deparo-me com tudo aquilo que me fez voltar, alguma movimentação apesar do frio, pessoas rindo e em torno de uma fogueira uma morena linda, cabelos longos, pouco cacheados e um tanto desgrenhados, a pele queimada do sol lhe dava uma beleza de quem gozou a liberdade total e seu sorriso confirmava isto, não havia peso, não havia dor.

Questionou-se se aquela mulher, ainda jovem, já teria passado por seu primeiro grande casamento, talvez este fosse o ano do seu primeiro, não faltava tanto tempo para Beltane, sabia ele.

Ao cruzar seu olhar com o meu ela sorri e sinto-me paralisado, aquele sorriso, seria aquela que me escolheu em campo de batalha? Aquele jeito de sorrir era único até então. Em seguida ela se precipita em minha direção, ao correr o balançar dos seus cabelos me lembra ainda mais daquela por quem eu morreria em batalha mil vezes. Mas sei que apenas me encontrarei com ela no Valhalla, sei que será ela e vir me buscar, então como poderia?

De repente ela me chama e eu caio em mim, aquela forma de me chamar só saiu de uma boca antes, esta mulher formada e linda, é um pedaço daquela que amei, minha carne, meu sangue, esta mulher é alguém que já não posso mais chamar de pequena e que em pouco tempo não poderia mais chamar de minha.

quarta-feira, 8 de maio de 2013


Definitivamente quero de volta meu cachorro, cansei de gente!